VOLTAR

Tratamento osteopático na constipação intestinal

POSTADO DIA: 20/01/2020 AS 18:59


A obstipação ou constipação intestinal (CI) é considerada uma disfunção gastrointestinal frequente, caracterizada pela dificuldade na defecação, seja pela necessidade de esforço e/ou diminuição na frequência das evacuações.

Segundo o Consenso de Roma IV, a definição da CI se baseia na presença de dois ou mais dos seguintes critérios, em mais de 25% das defecações: esforço ao evacuar, fezes endurecidas ou fragmentadas (Bristol Stool Scale Form ), sensação de evacuação incompleta, sensação de obstrução ou bloqueio anorretal, manobras manuais para facilitar as evacuações e menos de três evacuações por semana (pelo menos uma vez por semana durante pelo menos três meses, sendo que os sintomas não podem ser atribuídos a outra condição médica). Deste modo, observa-se uma variabilidade de critérios para a caracterização dessa manifestação clínica, não havendo um consenso sobre a definição da CI.

Configura-se como um problema sanitário importante, já que apresenta um contundente impacto nos serviços de saúde, constituindo a queixa principal em 3% das consultas na pediatria e em 25% das visitas ao gastroenterologista pediátrico. É responsável por cerca de 2,5 milhões de visitas médicas por ano, pelo gasto de vários milhões de dólares com laxantes e, indiretamente, por 92 mil hospitalizações anualmente nos Estados Unidos.

Reconhecida pela Organização Mundial da Saúde (OMS), a osteopatia se dedica à prevenção, ao diagnóstico e ao tratamento de alterações do sistema musculoesquelético e os efeitos desses distúrbios sobre o sistema nervoso e a saúde geral do indivíduo, abordando a propedêutica do paciente como um todo, e não apenas limitado ao processo patológico.

Osteopatia visceral, é um conjunto de técnicas manuais com o objetivo de diagnosticar e normalizar as disfunções osteopáticas das vísceras e órgãos do corpo. As relações entre as vísceras e as vísceras com os tecidos conectivos são consideradas como articulações, a direção e a amplitude dos movimentos de uma víscera dependem dos sistemas de sustentação e do contato desta víscera.

Estes sistemas são compostos pelas fáscias, pelos ligamentos, pelo turgor visceral e pressão intracavitária, pelo mesentério e pelo sistema omental. Tais sistemas mantêm as vísceras ligadas entre si e/ou ao sistema musculoesquelético, atuando como verdadeiras membranas de tensão recíproca, enquanto garantem liberdade para acomodação posicional. 

Quist & Duray (2007) realizaram o ajuste sacral em uma criança de 8 anos de idade que apresentava uma frequência evacuatória a cada 10 dias. Acompanhado da mãe, retornou para reavaliação 3 dias após a seção terapêutica, relatando 2 evacuações em 3 dias. Em um mês, o paciente foi visto 8 vezes, relatando melhora constante da função intestinal. E um follow-up efetuado via telefone, 13 anos após o atendimento, constatou a manutenção do resultando, com relato da mãe de evacuações diárias. Embora as deduções que podem ser extraídas a partir de um único estudo de caso sejam limitadas, os resultados sugerem que o tratamento osteopático pode ser útil em alguns casos de constipação crônica nos adultos e crianças.